Contatos

Contatos

terça-feira, 19 de abril de 2011

BAJULADORES, CONHECE ?

http://1.bp.blogspot.com/-FxF4eDxcXas/TaxtrYCfjLI/AAAAAAAABSk/LWD3AHlKhYM/s1600/bajula%25C3%25A7%25C3%25A3o.jpg
OS ZUMBIS SUBSERVIENTES - ENOCK DOUGLAS PEREIRA

Por trás de todo grande homem, existem seus seguidores, aquelas pessoas que defendem o seu admirado com a própria vida, que em hipótese alguma admite que seu admirado cometeu um erro, errar é humano, mas em sua frágil mente o seu admirado é algo mais que humano, esses servidores assimilam a imagem do admirado a própria perfeição, e estão sempre lá, junto, oferecendo seus serviços, agindo fora, buscando informações e denúncias para delatar ao admirado, como um cão em busca de uma recompensa, imaginando que quanto mais o mesmo mostrar lealdade, mais osso terá para roer.

Essas pessoas, dita subservientes, ou simplesmente bajuladoras, não têm opinião própria, não tem opção de escolha, muito menos raciocínio ou senso crítico, não tem vida, são zumbis, que vagam pelos trilhos da mais confusa inexistência, pessoas sem objetivo de vida, sem causa e sem luta, pode haver uma ao seu lado, ou simplesmente você pode ser uma, pois, os subservientes não admitem que os sejam.

A falta de vida própria é algo profundamente triste, obscuro, essas pessoas vivem em função de outra, tudo que faz, tem o claro objetivo de agradar outra pessoa, não importa os fatos, os motivos, o bem comum, importa apenas agradar o seu admirado, não importa que afetem outros, não ligam para opinião dos outros.
- Os outros não deveriam nem ter opinião
- Há se eu pudesse calar a opinião dos outros
- Vou tentar, se der certo
Mas nunca dá certo, quando calamos um, vem vários logo atrás, quando tentamos mostrar lealdade em excesso, utilizando-se de mentiras, atuando como investigadores, acabamos por perder muitos amigos, pessoas próximas, o período de poder do admirado passa, e quando passar eles vão embora, os subservientes ficam sem admirado.

-E agora? A quem recorrer? Aos outros? Que tanto humilhei a quem usei como peça no meu mirabolante plano de mostrar lealdade?
Pense bastante antes de ações, para que não façamos injustiças, para não tornarem-se subservientes, você pode até pensar que ninguém percebe, mas é algo claro, todos já notaram a mudança radical, mas nada é imutável, tudo se transforma.

Fonte: Enock Douglas em Umarizal News

3 comentários:

  1. eita que desse tipo aí eu conhço uns pouco.

    ResponderExcluir
  2. A bajulação é a arma do incompetente.

    Cada tapinha nas costas evidencia punhaladas futuras.

    O bajulador projeta conquistas à base de elogios e cinismo. Ele sabe que de outra forma jamais teria sucesso, pois é incompetente, fraco, apela ao sentimentalismo porque sabe que não possui o caráter necessário para o confronto. Ele aplaude os erros de seu alvo, assina todas as promissórias da culpa, é o perfeito "laranja", o testa-de-ferro, o puxa-saco, o filhote do trono.

    ResponderExcluir
  3. Se não fosse pela "habilidade" de puxar o saco, o bajulador jamais conseguiria êxito. Aproveita o que todo poderoso tem de sobra: o desejo de ser aplaudido, elogiado, adorado. O bajulador dá ao poderoso o que ele mais ama: a fascinação! Eles montam um esquema perfeito: um poderoso e um bobo da corte! O circo montado! Bem que Napoleão dizia que "a cada 10 bajuladores do rei, 9 morrem enforcados".
    O mundo sem eles seria muito melhor!

    ResponderExcluir